Em geral, todos sabem que quanto maior o teor de cacau, melhor. Pois os benefícios[1] do chocolate estão justamente no conteúdo de compostos fenólicos presentes no cacau. Mas, você sabia que pode existir muita diferença entre os chocolates com o mesmo percentual de cacau?

Percentual de cacau em um chocolate

É importante esclarecermos que, na conta do cálculo do percentual de cacau, entram massa (ou pasta ou liquor) de cacau, cacau em pó e manteiga de cacau[2].

Então é por isso que podemos encontrar chocolates com o mesmo teor de cacau e com gosto tão diferente, pois é a combinação desses ingredientes que determinarão o percentual de cacau e não somente a quantidade de massa de cacau como muitos pensam.

Chocolate 70%: sua escolha faz diferença!

Esse exemplo busca mostrar que mesmo em chocolates 70%, que, teoricamente, são considerados mais saudáveis pelo maior teor de cacau, a sua escolha faz diferença.

Lista de ingredientes de chocolates 70%

Lista de ingredientes de chocolates 70%

Os ingredientes básicos para um chocolate são massa de cacau e açúcar. À medida que a lista de ingredientes vai aumentando, é preciso atenção para fazer uma melhor escolha.

No exemplo acima, enfocamos no tipo de gordura utilizada na fabricação do chocolate. A melhor opção será a manteiga de cacau como fonte de gordura, pois as quantidades de ácido graxo esteárico, presentes no cacau, são responsáveis pelo efeito neutro sobre o metabolismo do colesterol[3].

Nesse sentido, a Sociedade Brasileira de Cardiologia, salienta para se ter cuidado com chocolates confeccionados com leite, pois a sua gordura pode conter grande quantidade de ácidos graxos mirístico e láurico, que conhecidamente aumentam o colesterol[3].

Além disso, há os chocolates que utilizam a gordura trans (como é o caso do primeiro produto da figura) e aqueles que se suspeita de utilizarem a gordura trans (como é o caso do segundo produto da figura) que não especifica o tipo de gordura vegetal utilizada. Esse tipo de gordura deve ser excluída da dieta[3], pois é sabido que o consumo, mesmo em baixas quantidades, induz intensa lesão aterosclerótica, condição que culmina em maior risco cardiovascular[4].

Dica

Além de considerar o percentual de cacau, fique atento à lista de ingredientes e evite os chocolates que contenham “gordura anidra do leite”, “gordura/óleo vegetal”, “gordura/óleo vegetal hidrogenada”, “leite em pó integral”, “gordura da manteiga”, “gordura láctea”, “margarina”. Prefira aquele com o maior percentual de cacau e que contenha apenas a manteiga de cacau como fonte de gordura.

Posts relacionados que você também por se interessar em ler:

Passo-a-passo para escolher um bom chocolate!

Alegação “zero gordura trans”: nem sempre é verdade!

Fonte:

  1. EFRAIM, P. et al. Revisão: Polifenóis em cacau e derivados: teores, fatores de variação e efeitos na saúde. Braz. J. Food. Technol. Preprint Series, n. 448, 2011.
  2. Resolução RDC n˚ 264, de 22 de setembro de 2005 da ANVISA.
  3. Santos R.D., Gagliardi A.C.M., Xavier H.T., Magnoni C.D., Cassani R., Lottenberg A.M. et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz sobre o consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013;100(1Supl.3):1-40.
  4. FALUDI, A.A., et al. Atualização da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose – 2017. Arq Bras Cardiol 2017; 109(2Supl.1):1-76.